• 193 
  •  
  •  
  •  
  •  

Família de bombeiro é salva por colegas da corporação

Pai, mãe e três filhos foram vítimas de capotamento no Rio
 
 
Há um mês, Tatiane Xavier dos Santos Mariano da Silva, de 27 anos, viveu o pior pesadelo de uma mãe. O carro em que estava, com o marido e três filhos, capotou na Rodovia Washington Luiz. As duas meninas, de 7 e 9 anos, sofreram ferimentos leves, mas o caçula, um bebê de apenas 3 meses, fraturou o crânio, o fêmur e deslocou o braço. A história só teve um final feliz graças ao trabalho ágil e eficiente dos bombeiros do Grupamento de Operações com Produtos Perigosos (GOPP). Em poucos minutos, o socorro chegou ao local, as vítimas foram estabilizadas e levadas para o hospital. O que nenhum socorrista poderia imaginar, naquele momento, era que Tatiane fosse irmã de um dos bombeiros da unidade. 
 
 
Há três anos na corporação, trabalhando justamente com busca e salvamento, o soldado Rodrigo Xavier, de 29 anos, se viu, pela primeira vez, do outro lado da situação. Ele tinha deixado o serviço há poucas horas, quando soube do acidente envolvendo sua família.
 
 
- Sempre que somos acionados, seguimos para o local da ocorrência no menor tempo possível. Independente de quem seja, corremos como se fosse alguém da nossa família precisando de socorro. E, desta vez, foi o que aconteceu. Agradeço ao profissionalismo dos meus colegas que atenderam o chamado. Foi um acidente sério e, sem um deslocamento rápido e um atendimento bem-sucedido, a história poderia ter sido outra - disse o bombeiro. 
 
 
Tatiane e o marido ficaram dois dias internados e passam bem, assim como as duas filhas mais velhas do casal. O bebê só teve alta depois de seis dias no hospital, uma série de exames, incluindo tomografias.  Ele segue sendo acompanhado pelos médicos e realizando avaliações periódicas.
 
 
- Nessas horas a gente vê a importância do trabalho bem realizado, do pronto deslocamento. É um privilégio, um prazer, trabalhar no Corpo de Bombeiros do Rio. É uma alegria imensa poder salvar vidas. Hoje, a gente salva vidas. Amanhã, podemos ser salvos.